terça-feira, 23 de abril de 2019

“TENHO MEDO DE IR À ESCOLA”, DIZ CRIANÇA VÍTIMA DE FAKE NEWS DO ESTADÃO


Na última semana, o vídeo de uma menina supostamente se negando a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro viralizou nas redes sociais. A notícia, que ganhou proporções ao ser publicada no Estadão, foi amplamente repercutida nas mídias, como a Revista Fórum, Catraca Livre, Carta Capital e UOL. O Yahoo Notícias, inclusive, fez uma publicação comemorando o ato:
“Diante de Bolsonaro, nesta Páscoa somos todos Yasmin’s”.

Muitos opositores de Bolsonaro apontaram que o ato de Yasmin seria uma reedição da cena icônica protagonizada pela então jovem Rachel Clemens Coelho, falecida em 2015, que em 1979, quando tinha  5 anos, se recusou a cumprimentar o presidente João Figueiredo, o último do regime militar. Na época, o gesto da menina também foi instrumentalizado pelos críticos do governo e ela acabou se transformando em um símbolo de resistência contra a ditadura. Era isso que queriam fazer com a Yasmin, de apenas 8 anos.

Entretanto, tudo não se passou de mais uma grande fake news da grande mídia que a todo custo tenta prejudicar o governo e, por consequência, atrapalhar o desenvolvimento do país. O Estadão, que tem uma parceria com o Facebook para checar as notícias falsas da rede social, inaugurou seu poder de censura corrigindo a si próprio pela mentira disseminada. Em nota, na sua versão online, o portal disse:
“ao contrário do que publicou o portal do Estadão na sexta-feira, 19, não é possível dizer que uma menina se recusou a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro durante um evento na última quarta-feira, 17″. 
Ocorre que no vídeo que viralizou na mídia esquerdista não era possível ouvir o que Bolsonaro havia dito às crianças enquadradas na filmagem. O presidente, que é palmeirense, em tom de brincadeira, havia perguntado se os pequenos eram também torcedores do alviverde paulista. Foi aí que Yasmin, flamenguista, respondeu com cara feia e braços cruzados.
Em outro vídeo divulgado pelo governo é possível ouvir nitidamente o diálogo. Confira:
O problema é que, apesar da correção do Estadão, o estrago já estava feito. A pequena criança, sem saber, tornou-se assunto nacional e, pior, boa parte dos internautas, mesmo os que não são bolsonaristas, acharam o ato, conforme interpretado pela mídia, simplesmente uma falta de educação, uma grosseria. Yasmin, uma menina de 8 anos, ficou nacionalmente mal falada por conta de uma tentativa de lacração do Estadão.
“Fico muito triste porque as pessoas estão falando mal de mim, que sou mal-educada”, disse ela em uma entrevista.
Yasmin, cujo pai, o pedreiro Valdir Alves, é um eleitor de Bolsonaro, teve sua rotina alterada, seu final de semana de Páscoa frustrado e ainda confessou que tem medo de ir à escola por conta de possíveis retaliações. O depoimento do pai é comovente:
Transferi meu título para cá e votei no Bolsonaro. Não imaginaria que pudesse chegar a esse ponto. Saio nas ruas e vejo as pessoas comentando sobre a minha filha. É uma criança de oito anos convivendo com essa expectativa de não querer nem estudar porque todo mundo fala dela.

No mea culpa do Estadão não há menção ao danos causados à menina Yasmin e à sua família. Também não se teve notícias, até agora, que qualquer um dos canais que disseminaram a mentira e instrumentalizaram a menina para emplacar suas agendar progressistas, tenha ido conversar com os familiares e se prontificado a arcar com as sequelas deixadas pelo boato lacrador.
fonte: ESTUDOS NACIONAIS / edição Outro Olhar Amargosa

Clique aqui e participe do Grupo Outro Olhar Amargosa no WhatsApp

Curta nossa página no Facebook 👍🏻

                                                            Siga nosso Instragram 📷 

0 comentários:

CURTA!