terça-feira, 19 de março de 2019

APÓS CICLONE EM MOÇAMBIQUE JÁ SÃO MAIS DE 200 MORTOS CONFIRMADOS

Ventos de 100 quilômetros por hora, chuvas intensas e trovões atingiram Moçabique, Malawi e Zimbábue, no Continente Africano. Em Moçambique, aldeias inteiras desapareceram. Pelos últimos dados, mais de 200 pessoas morreram no país. Porém, o governo estima que o número pode chegar a mil vítimas mortais.
Só na Beira, segunda cidade de Moçambique, estão confirmados 68 mortos e mais de 1.300 feridos. Cinco mil pessoas foram afetadas pelo furacão Idai, que atingiu o centro do país, antes de seguir para o vizinho Zimbábue, onde havia registro de 89 pessoas mortas.
O presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, disse que o país enfrenta uma tragédia de escala “gigantesca”. “Mais de 100 mil pessoas correm risco de vida. Nós vimos corpos na água. É um verdadeiro desastre humanitário”, lamentou Nyusi, acrescentando que “a prioridade é agora salvar vidas e já hoje [segunda-feira] foi possível salvar mais de 400 pessoas das zonas inundadas”.
Imagens aéreas difundidas pela organização Mission Aviation Fellowship mostravam esta segunda-feira dezenas de pessoas que procuraram refúgio nos topos de edifícios completamente cercados pela água.



Ciclone, Idai, Moçambique
CICLONE ATINGE A ÁFRICA E, EM MOÇAMBIQUE, TRANSFORMA ÁREAS INTEIRAS EM MAR DE LAMA  - DIVULGAÇÃO REUTERS
A cidade de Beira, com uma população de mais de meio milhão de pessoas, registrou 90%de destruição, de acordo com a Cruz Vermelha.
*Com informações da RTP, emissora pública de televisão de Portugal. edição Outro Olhar Amargosa

Clique aqui e participe do Grupo Outro Olhar Amargosa no WhatsApp

                                                      Siga nosso Instragram 📷    

0 comentários:

CURTA!