terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

LAVA JATO: EX-SENADOR ALOYSIO NUNES E OPERADOR DO PSDB SÃO ALVOS EM NOVA FASE


A 60ª fase da Operação Lava Jato prendeu, na manhã desta terça-feira 19, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, ex-diretor da Departamento Rodoviário S.A. (Dersa), estatal de engenharia do governo de São Paulo, durante as gestões do PSDB.
Batizada de “Ad Infinitum”, a operação da Polícia Federal cumpre doze mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Souza e ao ex-ministro das Relações Exteriores e ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), hoje presidente da estatal Investe SP, na gestão do governador João Doria (PSDB).
Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) argumentou que a prisão de Souza era “imprescindível” tendo em vista a “gravidade concreta dos crimes de lavagem de dinheiro relacionado à corrupção, que envolveram mais de uma centena de milhões de reais, da reiteração e habitualidade na prática de crimes por mais de uma década”.
A investigação tem relação com suspeitas de lavagem de dinheiro da empreiteira Odebrecht entre 2007 e 2017, em transações que ultrapassam 130 milhões de reais. O ex-diretor da Dersa já havia sido preso duas vezes entre abril e maio de 2018. Em ambas as oportunidades, foi libertado por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Nas oportunidades, ele foi detido suspeito de desviar 7,7 milhões dos cofres da empresa, dinheiro que era destinado a indenizar famílias desalojadas por obras de infraestrutura no estado.
Paulo Vieira de Souza assumiu o comando da empresa de engenharia em 2007, durante a administração do ex-governador e senador José Serra (PSDB), da qual Aloysio Nunes Ferreira foi secretário-chefe da Casa Civil até 2010, quando saiu para se eleger ao Senado.
Fonte:  VEJA / edição Outro Olhar Amargosa

Clique aqui e participe do Grupo Outro Olhar Amargosa no WhatsApp

0 comentários:

CURTA!