quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

VIKINGS PISARAM NA AMÉRICA ANTES DE COLOMBO?


No verão de 1960, um casal norueguês, o aventureiro Helge Ingstad e sua esposa, a arquiteta Anne Stine, navegou até um remoto e pequeno vilarejo de pescadores no extremo norte de Terranova, na costa atlântica do Canadá.
"Eles chegaram e perguntaram às pessoas onde havia ruínas. Uma das pessoas com quem conversaram foi George Decker, meu avô...", disse à BBC Loretta Decker, que trabalha para a Parks Canada, entidade que cuida dos parques nacionais e reservas naturais do país, e mora na remota aldeia de pescadores onde tudo aconteceu: L'Anse aux Meadows, ou Caverna das Águas-vivas, em português.
"Meu avô, que era o representante da aldeia, mostrou o que havia em nossos campos. Há um rio que ainda tem salmão, um terraço marinho e uma praia elevada e coberta com grama. É um lindo lugar. E lá você vê o que essencialmente são os contornos das casas.
"Por muitas gerações, a região foi chamada de 'o campo indiano' porque as pessoas daqui assumiram que ele tinha pertencido aos povos indígenas.
"Mas quando os Ingstad viram esse campo, lembram-se muito do que haviam visto na Groenlândia."
Foi uma descoberta promissora, pois o que os Ingstad esperavam encontrar eram provas físicas de que os vikings tinham ido da Groenlândia para a América do Norte há mil anos.
Isso significaria que eles teriam sido os primeiros europeus no continente - cerca de 500 anos antes de Cristóvão Colombo.
As ruínas dessas construções poderiam ser a evidência que buscavam, então começaram as escavações.

Um mundo desconhecido

A história de que os vikings cruzaram o Atlântico era antiga.
Aparece nas páginas das Sagas Nórdicas, a antiga coleção escandinava de mitos e lendas, que relata o auge da conquista e exploração viking há mil anos.
"Há um mapa muito antigo, que é debatido se é realmente autêntico, chamado de o mapa de Skálholt, mostrando a Promontorium Winlandiae ("promontório ou cabo de Vinlândia") e os Ingstand pensaram que era localizado na península nórdica da ilha de Terra Nova (na costa nordeste da América do Norte) ".
É por isso que os Ingstad foram a L'Anse aux Meadows: estavam em busca da mítica Vinlândia.

O teste de ferro

Apesar de seu entusiasmo, o explorador e a arqueóloga tiveram que lutar contra a descrença da comunidade científica: eles não eram os primeiros a embarcar nessa lenda.
Durante mais de 100 anos, arqueólogos da Finlândia, Dinamarca e Noruega usaram os antigos épicos nórdicos para guiar sua busca pelo povoado perdido de Erikson.
"No começo, os viam com muito ceticismo, críticas e, em geral, com a reação 'de novo a mesma coisa!", Diz Decker.
Mas o que encontraram nas escavações ao longo dos anos mudou tudo isso.
"Alguns dos artefatos encontrados eram claramente nórdicos, como um alfinete de bronze. Também encontraram muitas evidências de madeira que haviam sido esculpidas com ferramentas de ferro. Eles encontraram pinheiro europeu."
"Além disso...os detalhes da forma como as casas foram construídas e organizadas. E havia evidências de produção de ferro e forjamento."
Isso era algo que os nativos, cuja cultura era da Idade da Pedra, nunca fizeram.

E as uvas?

L'Anse aux Meadows foi finalmente a prova de que os vikings haviam chegado à América do Norte.
A descoberta foi anunciada em todo o mundo. Mas era a lendária Vinlândia?
Na época do anúncio, as escavações descobertas em L'Anse aux Meadows foram descritas como "um campo de alojamento". "A própria Vinlândia mesmo é como uma província maior ou departamento - uma extensão de um território que continha diferentes lugares que eles usavam."
Mas então, onde os vikings encontraram as uvas míticas?
Segundo Loretta Decker, há descobertas promissoras em L'Anse aux Meadows que indicam que os vikings encontraram uvas em expedições mais ao sul.
"Encontramos nozes da nogueira branca americana, que significa que os vikings tinham que ter ido para o rio de San Lorenzo, mais ao sul, onde crescem, não apenas essas nogueiras, como também uvas do tipo River Bank Grape ou Frost Grape (Vitis riparia), que amadurecem no mesmo período que as nozes."
"Se eles encontraram as nozes, encontraram as uvas, o que prova de alguma forma que o que dizem as Sagas é verdade."
Acredita-se que o assentamento viking em L'Anse aux Meadows tenha existido por apenas 20 anos.
Hoje é patrimônio da humanidade e, perto das ruínas, foram feitas reconstruções de casas vikings com madeira e cobertas de grama, há cerca de um milênio.


0 comentários:

CURTA!