terça-feira, 1 de janeiro de 2019

“O CLÍMAX FUGAZ DO ANO NOVO” POR TOSTA NETO


A natureza é marcada por ciclos. O dia é sucedido pela noite. O inverno antecede a primavera. No bando de leões, os machos que chegam na fase adulta são expulsos pelo Alfa. As aves migratórias buscam o calor dos trópicos para consumar a procriação. A humanidade também está subordinada aos ciclos: advento na adolescência, conclusão do Ensino Médio, ingresso no matrimônio... A cada 365 dias, encerra-se um ciclo. Do dia 31/12 a 01/01, somos bombardeados por mensagens de positividade. Metafisicamente, somos persuadidos a romper com o Ano Velho, vislumbrando um Ano Novo que superará as expectativas mais otimistas.
No Réveillon, uma série de rituais vem à tona. A tradição nos diz que vestimentas brancas trazem boas-novas; o amarelo é uma boa pedida, pois sinaliza riqueza. É quase uma regra geral que o Ano Novo seja desfrutado na praia: indubitavelmente, a grandiosidade do mar exerce fetiche e fascínio na humanidade. Pular onda e ofertar flores para Iemanjá estão na cartilha. Não se pode olvidar uma consulta ao mapa astral. Quando o relógio se aproxima da meia-noite, um frisson toma conta dos corações adolescentes. Suscita-se uma expectativa pela contagem regressiva no “animadíssimo” Réveillon da Globo, normalmente entoada por Ivete Sangalo ou Luan Santana. O Ano Velho encerra o ciclo e fogos coloridos iluminam o firmamento. Quem é “contaminado” por essa energia de otimismo, imagina que o Ano Novo será inexorável, indescritível, inenarrável, etc.    
Nos primeiros dias do ano, o clímax do Réveillon bruxuleia na mente, todavia, o tempo é seco e inclemente na sua universal imparcialidade. O tempo passa e o clímax supracitado se dissipa como orvalho no amanhecer. Naturalmente, as esperanças rebuscadas de positividade evaporam-se de forma instantânea. O indivíduo é aturdido pela previsibilidade do cotidiano, ocorrendo um velamento dos planos arquitetados durante a virada. Na obra-prima Ser e Tempo, o grande filósofo alemão Martin Heidegger nos apresentou a relação temporal entre o ser humano e o mundo, e o quão que a cotidianidade e a manualidade nos levam à existência inautêntica. Apesar de ser um ser que sempre tem projetos, o ser humano é absorvido pela rotina, logo, há um esquecimento temporário de tudo que foi projetado.
A passagem de ano é simbólica. O próprio conhecimento em si é constituído de simbolismo. Ademais, os rituais têm importância, sobretudo no plano das religiões. O processo ritualístico corrobora a significância das coisas, reforçando, às vezes, certos comportamentos. A sede de mudança e desenvolvimento não deve ser somente recordada no Ano Novo; é imprescindível que seja algo processual e ininterrupto. O condicionamento para mudar e desenvolver-se é primordial, desde que tenha como consequência a ação. A força do ser humano está na mente, porém é mister que ocorra a transposição à esfera das ações. Vale salientar que o indivíduo traz a evolução no legado genético. A aliança entre a genética, a força mental e o poder da ação concederá à humanidade uma existência mais nobre e digna. 
Apesar do clímax fugaz do Réveillon, o indivíduo é induzido a efetuar reflexões sobre o ano que passou, fazendo um balanço dos fatores positivos e negativos. O que deu certo? O que deu errado? Como qualquer festejo, o Ano Novo tem impacto na economia, pois movimenta a indústria da música, além de fazer injeções milionárias no comércio e no setor de serviços, impulsionando ainda mais a engrenagem econômica. Enfim, todo ano novo fica velho até ser devorado por Cronos. O Réveillon nos alerta sobre a ferocidade da roda do tempo, movimento cíclico que esmaga todos os seres que estão sujeitos às leis da física. Não esqueçamos: o espírito de renovação deve ser corriqueiro no itinerário existencial. É deveras gratificante chegar no final do ano e ter a sensação que as energias positivas estão vívidas no nosso âmago. Recordemos sempre: o ano é breve; toda vida é brevíssima. Por conseguinte, sejamos felizes enquanto Cronos não nos devora.

Tosta Neto, 01/01/2019 


0 comentários:

CURTA!