segunda-feira, 29 de outubro de 2018

'NO GOV. BOLSONARO, QUEM ROUBAR VAI PARA CADEIA E ELE JOGA CHAVE FORA', DIZ FUTURO MINISTRO

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), anunciado ministro da Casa Civil, criticou nesta segunda-feira (29) os escândalos de corrupção da Petrobras."No governo Bolsonaro, quem roubar vai para cadeia e ele joga a chave fora", disse.A declaração do futuro ministro foi feita após questionamentos sobre qual será a política de preços adotada pela estatal petrolífera na gestão de Jair Bolsonaro (PSL), eleito presidente no domingo (28)."Primeiro precisamos saber sobre a verdade da Petrobras no Brasil. Tenho curiosidade de saber se o presidente Temer sabe. Porque a Petrobras passou por um período em que ela passou da 7ª petrolífera no mundo à 28ª, graças à roubalheira e à utilização inadequada da empresa", disse. Lorenzoni não soube precisar a política que será adotada, mas disse que o país vive hoje um drama em relação ao preço dos combustíveis."O cidadão brasileiro paga uma conta absurda por conta dos equívocos cometidos no passado", afirmou. Ele disse que ainda é muito recente a eleição de Bolsonaro e pediu paciência para que a equipe do capitão reformado possa tomar decisões sobre o futuro da estatal.CAIXA 2Principal articulador político do presidente eleito, Lorenzoni admitiu no ano passado ter recebido R$ 100 mil em caixa dois da empresa de carnes JBS.Em entrevistas à imprensa em maio de 2017, Lorenzoni argumentou que o dinheiro foi usado para quitar gastos de campanha de 2014, mas concordou que deveria "pagar pelo erro".O pagamento para Lorenzoni consta de um procedimento amplo, que envolve vários políticos, classificado como "petição" aberta no STF (Supremo Tribunal Federal) a pedido a PGR (Procuradoria Geral da República) em maio do ano passado a partir do acordo de delação premiada fechado com donos e executivos da JBS.A reportagem apurou que, passados 15 meses da admissão de culpa do parlamentar, nenhum inquérito foi aberto e ele não foi responsabilizado de nenhuma maneira.
Fonte: Folha SP

0 comentários:

CURTA!