quarta-feira, 11 de julho de 2018

Favreto 'usou magistratura para criar fato político', diz Eliana Calmon


A ex-corregedora nacional de Justiça e ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça, a baiana Eliana Calmon disse, em entrevista à BBC News Brasil, que o desembargador "enxovalhou o Judiciário" e defendeu que ele seja investigado por possível falta disciplinar. Reconhecida por chefiar com rigor o CNJ quando foi corregedora, defendendo punição a juízes suspeitos de irregularidades - a quem chamava de "bandidos de toga" - Eliana Calmon não poupou críticas ao desembargador que mandou soltar Lula.

"Ele (Rogério Favreto) quis criar um fato político e usou a magistratura para criar esse fato político. Usou a magistratura e infringiu o princípio de que você deve ser imparcial. Isso é grave, principalmente quando essa imparcialidade tende a atender a um interesse politico-eleitoral", disse Calmon.Para ela, o pedido de habeas corpus não deveria ter sido apresentado ao TRF-4, mas sim ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), já que o tribunal de segunda instância já havia rejeitado os últimos recursos do ex-presidente contra a decisão de 12 anos e um mês de prisão no caso do Tríplex do Guarujá.

"Essa decisão inusitada do desembargador fica até difícil de explicar juridicamente porque é um simulacro de decisão", afirmou.

Confira a íntegra da entrevista aqui. 

0 comentários:

CURTA!