sexta-feira, 22 de junho de 2018

Jogadores suíços fazem provocação política na vitória contra a Sérvia


Shaqiri e Xhaka fizeram o símbolo da Albânia com as mãos, lembrando às sangrentas disputas territoriais na Iugoslávia

Granit Xhaka e Xherdan Shaqiri, que garantiram a vitória da Suíça contra a Sérvia pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo da Rússia nesta sexta-feira, 22, na Arena Kaliningrado, comemoraram os gols com uma provocação ao seu adversário em campo.
Xhaka, autor do primeiro gol, celebrou fazendo uma águia de duas cabeças com as mãos, símbolo que estampa a bandeira da Albânia. O gesto foi repetido por Shaqiri, que fechou o placar de 2 a 1 para a Suíça.
A provocação política expõe uma ferida mal cicatrizada entre países europeus que remonta às sangrentas disputas territoriais da extinta Iugoslávia. Além de Xhaka e Shaqiri, Blerim Dzemaili e Valon Behrami formam o grupo de jogadores da Suíça que possuem descendência de nações que participaram do conflito.
O pai de Granit Xhaka, inclusive, foi preso na década de 1980 em meio ao impasse. O albanês Ragip Xhaka foi detido após participar de protestos contra a dominação sérvia nos territórios que formavam a antiga Iugoslávia. Após três anos na cadeia, Ragip se mudou para a Suíça, onde o jogador nasceu.
Shaqiri, que também provocou os torcedores da Sérvia, tem origem kosovar, país que declarou sua independência de forma unilateral após a Guerra do Kosovo, nos anos 1990. O conflito entre sérvios e guerrilhas separatistas, formada também por albaneses, deixou mais de 12 mil mortos e levou o então presidente sérvio Slobodan Milošević ao Tribunal Internacional de Justiça por crimes de guerra e contra a humanidade, que incluíam acusações de genocídio em regiões que hoje pertencem à Bósnia, Croácia e Kosovo.
Na partida desta sexta-feira, Shaqiri jogou com uma chuteira com as bandeiras da Suíça e do Kosovo.
Segundo a mídia sérvia, a Rússia chegou a pedir à Federação de Futebol de Suíça que banisse bandeiras da Albânia ou símbolos do Kosovo na partida; a federação teria se recusado, informou o canal Novosti, pedindo que o esporte não seja “politizado”.
“Não queremos mensagens políticas nos estádios, não importa se isso aconteça através de bandeiras ou de outra forma”, respondeu o órgão.
Em 2014, durante as Eliminatórias da Eurocopa, uma partida entre Albânia e Sérvia chegou a ser suspensa após uma série de confusões em campo. Durante a partida, um drone sobrevoou o estádio Partizan de Belgrado, lotado com 20 mil sérvios, exibindo uma bandeira albanesa.
Quando ela se aproximou do gramado, foi arrancada pelo jogador sérvio Aleksandar Mitrović. Os jogadores albaneses partiram para cima do jogador, desencadeando um tumulto generalizado entre as duas seleções. Durante a confusão, alguns torcedores invadiram o campo e chegaram a usar cadeiras para agredir os atletas.

 (Fonte: Band)

0 comentários:

CURTA!