quarta-feira, 5 de agosto de 2015

PDT e PTB anunciam que vão sair da base aliada na Câmara dos Deputados


BRASÍLIA - Em mais um desdobramento da crise governista no Congresso, o PDT, partido que há anos ocupa o Ministério do Trabalho, e o PTB anunciaram nesta quarta-feira que irão desembarcar da base aliada na Câmara dos Deputados. Segundo o líder do PDT, André Figueiredo (PDT-CE), a legenda não irá para a oposição, mas passará a adotar uma postura de “independência”.

– Não vamos mais participar das reuniões dos líderes aliados. Estamos sendo de forma recorrente desrespeitados, chamados de traiçoeiros e infiéis, quando somos o único partido que avisa antes como irá votar – disse Figueiredo, que acusou o líder do governo, José Guimarães (PT-CE), pelas ofensas.

O deputado afirmou que, antes de anunciar em plenário a decisão da bancada, comunicou-a ao presidente da legenda, Carlos Lupi, e ao ministro do Trabalho, Manoel Dias. Segundo o deputado, Lupi teria lhe dado “total liberdade” para agir e comentou que a permanência na base “tem prazo de validade”. A reação de Manoel Dias foi de constrangimento.

– O Manoel ficou em uma situação constrangedora. Mas, o ministério é da presidente Dilma, foi ela quem escolheu o ministro. Ele tem nossa confiança, mas não foi a bancada que indicou – disse.

André Figueiredo disse que a decisão sobre a eventual saída de todo o PDT da base de apoio ao governo Dilma Rousseff, inclusive com a entrega do ministério hoje ocupado pela legenda, ocorrerá em reunião de todo o partido.

– Temos clareza de que os próximos passos serão naturalmente dados. Não se afasta essa hipótese (de deixar o ministério) – pontuou.

No primeiro semestre, o partido ensaiou deixar a base governista, mas acabou voltando atrás. Segundo Figueiredo, a permanência na base, na ocasião, ocorreu “em nome da governabilidade”. No entanto, para o deputado, a situação ficou “tão deteriorada” que impossibilitou a continuidade da posição de aliado.

Ontem, José Guimarães reclamou da infidelidade da base após a rejeição de requerimento para adiar a votação da PEC 443, que aumenta o teto salarial de advogados públicos e procuradores. No primeiro semestre, durante a votação das medidas do ajuste fiscal, houve atrito entre o governo e o PDT, que votou contra algumas das propostas.

PUBLICIDADE

LÍDER DO PTB DIZ QUE BANCADA ESTÁ 'DISCUTINDO A RELAÇÃO'

Depois do PDT, também o PTB anunciou rompimento com o governo. O líder da bancada, Jovair Arantes (GO) disse que a bancada está "discutindo a relação com o governo" e que também declara posição de independência.

- Estamos dando um tempo para discutir a relação, fazer uma DR. A gente está segurando a bancada no braço, mas o governo não tem sensibilidade, os ministros não atendem. O governo não considera meus deputados. Não é só cargos, mas é evidente que quem participa do governo tem os ônus e os bônus. Nós estaremos votando contra o governo nos próximos dias - disse Jovair.

O líder do governo, José Guimarães (PT-CE) tentou uma última conversa com o partido em reunião na liderança do PTB da qual participaram também os líderes do PMDB, do PP, do PR e do PSC. Mas não obteve sucesso.

Givaldo Barbosa / Agência O Globo

0 comentários:

CURTA!